O que acontece quando você não consegue ter um orgasmo (e como finalmente chegar lá)

0
28

Orgasmos não acontecem com tanta facilidade e frequência assim quanto Hollywood mostra. A verdade é que há muita gente ― tanto homens quanto mulheres ― que tem dificuldade em chegar ao clímax na hora do sexo. 

E sim. Se você nunca teve um orgasmo, ou apenas raramente conseguiu chegar a um, não há nada de errado com você. Acredite. Por sorte, existem muitas maneiras simples e eficazes de mudar essa situação.

O HuffPost conversou com especialistas em bem-estar sexual para entender por que algumas pessoas podem ter dificuldade em chegar ao orgasmo e, principalmente, o que pode ser feito para mudar essa questão na sua vida.

Por que um orgasmo pode parecer algo quase impossível

South_agency via Getty ImagesO que foi ensinado a muitas mulheres é que o sexo não passa de uma função biológica necessária para terem filhos.

Existem inúmeras razões pelas quais as pessoas podem ter dificuldade em chegar ao orgasmo. “A razão mais básica, uma em que as pessoas não querem acreditar, é que o sexo não é tão simples assim”, aponta a psicóloga e terapeuta sexual Aline Zoldbrod, em entrevista ao HuffPost US.

Holly Richmond é terapeuta sexual, psicóloga e sócia da K-Y.  Ao HuffPost, ela foi categórica ao dizer que a primeira coisa que a fazer é conversar com um médico. A dificuldade de chegar ao orgasmo pode ter origens fisiológicas ou até emocionais.

“Especialmente no caso de clientes de expressão sexual não binária, pesquisamos juntos para descobrir um médico em sua região que tenha visão positiva acerca de questões sobre sexualidade e que seja inclusivo em sua abordagem”, ela disse ao HuffPost US.

“Devido às expectativas e aos padrões culturais, muitas pessoas sentem vergonha de serem incapazes de ter um orgasmo. Quero assegurar, na medida do possível, que profissionais que trabalhem com meus pacientes os ajudem a diminuir a vergonha e faça-os enxergar isso como algo normal.”

Pode também ser uma questão de ainda não saber o que funciona melhor para seu corpo; assim, é preciso dar-se tempo para explorar o próprio corpo e os próprios gostos.

“Precisamos buscar nosso prazer, nós mesmos, e não imaginar que outra pessoa vai poder criá-lo para nós”, disse Richmond. Assim como Zoldbrod, ela também destaca a importância de cada pessoa aprender por conta própria o que lhe dá prazer e então comunicar essas descobertas a seu parceiro.

Pesquisas revelam que a ansiedade em relação ao próprio desempenho sexual é um problema muito real, tanto para mulheres quanto para homens. A ansiedade também pode impedir uma pessoa de chegar ao orgasmo.

Para Zoldbrod, pessoas que enfrentam estresse ou preocupações intensas podem se beneficiar de tratamento de combate à ansiedade que os ajude a se acalmar e “conseguir prestar atenção suficiente às suas sensações corporais para terem um orgasmo”.

Para resolver a ansiedade, ela diz que primeiro pede a seus pacientes que pratiquem o mindfulness, “porque isso provavelmente os acalmará o suficiente para que aprendam a gozar”.

Segundo ela, muitas mulheres, em especial, têm medo inconsciente de se soltarem. É o caso especialmente das pessoas que gostam de estar no controle (levante a mão quem tiver personalidade tipo A!).

Independentemente de seu gênero, se a ansiedade estiver afetando sua vida no dia a dia – e isso inclui se ela estiver impedindo você de ter um orgasmo ―, alguns especialistas podem prescrever medicamentos ou oferecer tratamentos mais específicos para ajudar a administrar a condição atual.

Outro fator que pode criar um empecilho ao orgasmo pode ter origem em ensinamentos. “O elemento que fica de fora da educação sexual é o prazer. Muitos de nós, que tivemos educação sexual dada pela família ou uma instituição religiosa, aprendemos a sentir vergonha”, explicou Richmond.

O que foi ensinado a muitas mulheres é que o sexo não passa de uma função biológica necessária para terem filhos. Elas recebem pouca ou nenhuma informação sobre o prazer e sobre o direito de cada um de sentir prazer sexual.

“Apesar de o sexo ser usado para vender carros, maquiagem, destinos turísticos, comida e roupas, existem muitos setores da sociedade que pensam que as mulheres devem ser assexuadas, para conservar sua ‘pureza’”, disse.

“Para ter um orgasmo você precisa prestar atenção à sua área genital, precisa se permitir sentir prazer com ela, precisa se soltar. Você mesma tem que se autorizar a fazer tudo isso, porque muitas vezes não receberá permissão.”

Vale notar que existem algumas condições de saúde (como deficiências vitamínicas ou baixo nível de testosterona) e alguns medicamentos que podem abaixar a libido. Entre esses medicamentos estão os antidepressivos e medicamentos para pressão. Richmond recomenda, nesses casos, uma conversa com especialistas, sejam clínicos gerais ou um obstetras.

“É com eles que você pode discutir os prós e contras de continuar ou não a tomar esses medicamentos”, disse.

O que fazer para alcançar um orgasmo mais facilmente?

eclipse_images via Getty Images“A autoexploração é a melhor maneira, psicológica e fisiologicamente, de a pessoa alcançar orgasmos melhores sozinha.”

Como Zoldbrod mencionou, uma prática de meditação mindfulness pode ajudá-lo a superar a ansiedade e voltar sua atenção às sensações corporais. Há muitas maneiras de praticá-la; você pode começar por observar sua respiração e fazer um “scan corporal” (em que você fecha os olhos e se concentra sucessivamente em cada parte de seu corpo).

Essas técnicas podem ajudá-lo a se sentir mais presente.

Zoldbrod e Richmond voltaram a destacar a importância de conhecer o próprio corpo. “A autoexploração é a melhor maneira, psicológica e fisiologicamente, de a pessoa alcançar orgasmos melhores sozinha”, disse Richmond.

“Eu encorajo meus clientes a prestarem atenção ao seu desejo e sua excitação. No caso do desejo, é perceber o que o desperta neles, além dos aspectos mentais do prazer. No caso da excitação, observar o que nos excita e os aspectos físicos do prazer.”

Você pode ter noções sobre o que é excitante que são baseadas na cultura pop, disse Richmond, mas a verdade é que cada pessoa é singular quando se trata de sexo e prazer. “Por isso o jeito como fazemos sexo, incluindo com nós mesmos, são muito diversos e constituem uma experiência individual.”

Sobretudo, disse Zoldbrod, é importante ser gentil com você mesmo. Depois de ter aprendido a gozar sozinho e sentir-se confortável com isso, o próximo passo essencial é a comunicação com o parceiro. Para Richmond, “as melhores estratégias para começar a ter uma vida sexualmente saudável e empoderada são conhecer a si mesmo e conseguir seus desejos.”

E, se você ainda estiver tendo dificuldades, saiba que é tudo bem.

Especialmente se você passou por traumas, pode precisar de mais tempo para superá-los. Em casos como esses, Zoldbrod recomenda que a pessoa procure um terapeuta sexual ou um profissional de saúde mental.

É tudo bem simplesmente não ter orgasmo?

Kathrin Ziegler via Getty ImagesComo sempre, a comunicação é crucial, e conversar com seu parceiro vai ajudar você a chegar mais perto do que dá certo.

O orgasmo faz bem à saúde, destaca Richmond, e tem benefícios que incluem desde melhora no sono e no humor até redução do estresse e da ansiedade ― além de fortalecer a imunidade. Mas saiba de uma coisa: nem toda relação ou prática sexual precisa necessariamente acabar em um orgasmo.

“É muito importante não humilhar as pessoas que não conseguem ou não conseguiram chegar a um orgasmo, não tratar seu problema como patologia e não atribuir culpa a elas”, disse. “Não existe prazo para fazer um sexo ótimo.”

Zoldbrod destacou que muitas pessoas, mais frequentemente mulheres, experimentam muito prazer sexual sem serem “orgásmicas”. A regra geral a ser aplicada é: “Se está tudo bem para você, tem que estar tudo bem para seu parceiro”, disse. Como sempre, a comunicação é crucial, e conversar com seu parceiro vai ajudar você a chegar mais perto do que dá certo. Tratar a você mesmo com paciência e compaixão é um ótimo ponto de partida.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui