Mourão diz que vídeo que nega golpe militar foi decisão de Bolsonaro

0
56

ASSOCIATED PRESS“O Exército apenas cumpriu o seu papel”, diz conteúdo divulgado pelo Palácio do Planalto.

O presidente em exercício Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira (1º) que a divulgação do vídeo que nega o golpe de 1964 foi decisão do presidente Jair Bolsonaro. O material foi encaminhado para jornalistas neste domingo (31) por um telefone da Secretaria de Comunicação da Presidência.

“Decisão do presidente. Foi divulgado pelo Planalto, é decisão do presidente”, disse o general da reserva ao ser questionado pelo Globo na saída do gabinete da Vice-Presidência no fim da manhã desta segunda.

O material enviado pelo Palácio do Planalto nega que um golpe de estado instaurou a ditadura militar no Brasil, há 55 anos. Na peça, um homem não identificado fala que o Brasil “caminhava para o comunismo”, num período de “medo e ameaças”, e que houve um apelo ao Exército por parte de “jornais, rádios, TVs e principalmente o povo na rua”.

“Foi aí, conclamado por jornais, rádios, TVs e principalmente pelo povo na rua ― povo de verdade, pais, mães, igreja – que o Brasil lembrou que possuía o Exército nacional e apelou a ele. Foi só aí que a escuridão, graças a Deus, foi passando e fez-se a luz”, diz o narrador. “O Exército nos salvou, o Exército. Não há como negar”.

Ao final, é exibida uma imagem da bandeira do Brasil e ele diz que “o Exército não quer palmas nem homenagens. O Exército apenas cumpriu o seu papel”.

A Secretaria de Imprensa da Presidência confirmou que o conteúdo foi enviado em um grupo de WhatsApp para distribuição de informações a jornalistas, mas não explicou quem enviou para o canal.

O jornal O Globo identificou o narrador como o ator Paulo Amaral, especializado em propaganda. Ele, contudo, não revelou por quem foi contratado, só disse que era “particular”.

“Um produtor me chamou, falou ‘Paulo, eu preciso que você faça um texto pra mim, te pago tanto, você faz?‘. Eu falei ‘faço’. Mas morreu aí, não sei qual é a produtora, pra te dizer a verdade. Foi só isso. Não tinha nenhuma ideia. Só gravei. O rapaz arquivou e não falou se ia ser um comercial, não falou nada”, afirmou ao jornal.

O vídeo também foi postado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, no Twitter.

O líder do PSol na Câmara, Ivan Valente (PSol-SP), anunciou nesta segunda que iria protocolar uma representação à Procuradoria-Geral da República (PGR), com base em tratados internacionais assinados pelo Brasil, em decisões da Corte Interamericana e nas obrigações assumidas pelo nosso país perante a ordem internacional.

De acordo com o parlamentar, a divulgação do vídeo configura improbidade administrativa. Ele anunciou ainda que irá apresentar uma convocação no plenário e nas comissões temáticas do ministro da secretaria de governo da Presidência, Santos Cruz, para prestar esclarecimentos ao Congresso Nacional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui