O poder feminino na resposta de Debora Nascimento sobre separação de José Loreto

0
9

Getty EditorialAtriz falou pela primeira vez sobre separação de José Loreto, que envolveu outras mulheres e gerou repercussão no último mês.

Mantive meu silêncio justamente para não expôr mais uma mulher – exercitando minha empatia e sororidade, que é verdadeira e não oportuna.

A frase acima é da atriz Debora Nascimento, 33 anos, que, na noite deste domingo (10), falou pela primeira vez sobre a repercussão gerada em torno do fim de seu relacionamento com o ator José Loreto, envolvendo outras atrizes.

“Nenhuma mulher merece se sentir oprimida. Diante de tantos ataques e injúrias oportunistas que venho sofrendo, meu silêncio agora me oprime, mas a verdade há de me libertar”, escreveu a atriz em seu Instagram.

No fim de fevereiro, a atriz Marina Ruy Barbosa foi apontada como “pivô” da separação do casal após realizar uma festa ‘proibida’ só para alguns convidados (e vale lembrar que o único “pivô” em questão seria o próprio José Loreto). Marina e José teriam um envolvimento que iria além da relação profissional na TV Globo, já que os dois são colegas de elenco atualmente. 

Em seu texto, Débora afirma que “a verdade costumar ter três lados: o da pessoa que conta a sua versão, a versão do outro e finalmente o fato propriamente dito”, critica a repercussão gerada nas redes sociais e pontua que sofreu uma exposição e foi “refém de uma situação que não escolhi”. 

“Nesse mundo virtual versões construídas crescem exponencialmente e ganham contornos maiores do que a vida real e assim é criada uma hipócrita, oportunista e artificial quarta verdade.”

A atriz também justificou seu silêncio, explicando que o fez porque sempre buscou a descrição e não quis expor outra mulher. “Mantive meu silêncio justamente para não expor mais uma mulher – exercitando minha empatia e sororidade, que é verdadeira e não oportuna. Devemos sempre pensar na genuína fragilidade alheia. Nunca me permiti esmorecer.”

Ela afirma que sempre pautou suas atitudes com cautela, priorizando a proteção de sua filha, que tem ciência de seu poder feminino e que o considera “um ato de resistência dentro da estrutura moralista e machista de um país onde 536 mulheres são agredidas por hora.”

“Sei que sou dona do meu corpo, valores, escolhas e silêncios”, escreveu Debora. E criticou a cobertura e comentários feitos sobre sua vida pessoal: “E nenhuma manipulação, julgamento injusto, narrativa artificial ou notícia mentirosa vai me impedir de ser feliz.”

Débora finaliza a carta falando de sua felicidade: “Não aceito nada menos que ser feliz, devo isso à mim e minha filha”. Leia na íntegra:

No final de fevereiro, José Loreto se pronunciou também em seu Instagram e pediu a todos que, “neste momento, me deem a oportunidade de reencontrar o silêncio necessário para que a gente [Loreto e Débora] possa voltar a se ouvir”.

“Débora, você tem todas as razões para estar magoada comigo. Te dei motivos, indícios, diria que até provas, que eu mesmo, se estivesse no seu lugar, diria que são inquestionáveis”, escreveu o ator.

No último dia 8, quando é comemorado o Dia Internacional da Mulher, a atriz Marina Ruy Barbosa fez um pedido em seu Instagram: “Vamos desaprender o que a sociedade ensinou sobre as mulheres. Precisamos juntas desconstruir essa rivalidade que criaram entre nós.”

Após o caso ― que envolve a vida pessoal dos atores ― ganhar repercussão, a novela O Sétimo Guardião enfrenta uma séria crise. De acordo com Keila Gimenez, do R7, Loreto, Marina e Bruno Gagliasso, que formam o triângulo amoroso da novela das 21h, não se falam mais.

Segundo fontes ouvidas pela jornalista, Loreto chegou a pedir para se afastar do folhetim de Aguinaldo Silva a fim de se reconciliar com a ex-esposa. As cenas do ator foram reduzidas, mas sua saída não foi liberada. A morte do personagem do ator na trama foi negada pela Globo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui